Eduardo Shinyashiki

Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. É presidente do Instituto Eduardo Shinyashiki e também escritor de livros como Transforme seus Sonhos em Vida, sua publicação mais recente. www.edushin.com.br.

Seis dicas para manter a harmonia com os colegas de trabalho

Em época de enxugamento de equipes, em que as empresas exigem mais resultados com menos pessoas, é natural que o nível de estresse aumente. No entanto, é preciso muito cuidado para não “descontar” a pressão no colega – que provavelmente está na mesma situação que você.

Para manter a harmonia no trabalho e não desestabilizar as suas próprias emoções, deixo seis dicas importantes para agregar ao seu dia a dia profissional e melhorar o relacionamento com a equipe.

1 – Antes de querer ser compreendido, compreenda o outro

O primeiro passo para manter a harmonia com os colegas é compreender que o seu ponto de vista não é necessariamente o mesmo do outro. Cada um de nós enxerga a realidade do seu próprio jeito, de acordo com a sua história pessoal e as suas experiências. Por isso, cada pessoa constrói uma visão diferente do mesmo problema.

2 – Olhe as situações de pontos de vista diferentes

Desenvolva uma visão mais aberta para poder observar as situações e as pessoas de diferentes perspectivas e ângulos. É preciso se distanciar, por um momento, do que você quer e olhar para a situação como um observador, da forma mais neutra possível – emotivamente falando -, suspendendo por um momento os julgamentos pessoais.

3 – Seja gentil na sua comunicação

Muitas vezes, as palavras usadas, o tom de voz, o volume, a postura corporal, as expressões do rosto e os gestos são elementos que podem minar a harmonia e alimentar conflitos entre a equipe. Isso pode influenciar diretamente nos resultados. Seja gentil na comunicação. Ser assertivo não significa ser agressivo nem violento.

4 – Tenha bom humor e seja otimista

Manter o bom humor, o otimismo e treinar olhar sempre o lado bom das situações são atitudes que influenciam positivamente a vida das pessoas. Além disso, ajudam a manter a mente aberta e a melhorar os relacionamentos interpessoais.

5 – Expresse gratidão

Expressar o sentimento de gratidão para as outras pessoas desenvolve a valorização e o fortalecimento dos vínculos e da confiança.

6 – Cuide de você e respeite suas necessidades

Cultive os seus sonhos. Cuide do seu corpo, da sua saúde, espiritualidade e força interior, afinal, estar bem consigo mesmo reflete positivamente em tudo, inclusive nos relacionamentos com as outras pessoas.

Com essas atitudes você será capaz de manter um ambiente de trabalho mais harmonioso e atingir todos os resultados traçados com a força e a união da equipe!

 

Liderança compartilhada: necessária e eficaz

Já parou para pensar que a atual crise, da qual tanto se fala, vai além da questão financeira, da corrupção e do caos econômico que muitos estão vivenciando? Ela envolve, nitidamente, falta de liderança e de espírito cooperativo. E não falo da liderança habitual praticada por gestores ou chefes, mas daquela que envolve quase todas as esferas sociais e que é um estado de consciência, uma atitude.

Muitas pessoas e empresas ainda mantêm a mesma posição de antigamente, em que os sistemas de liderança corporativa eram vistos como caminhos a serem percorridos de forma solitária, e que o segredo para alcançar o sucesso estava em uma postura mais individualista. Isso dificulta o crescimento de todos, inclusive dos que acreditam nessa forma retrógrada de liderar.

O cenário atual requer pessoas capazes de oferecer a oportunidade para todos brilharem e se realizarem dentro dos ambientes em que estão inseridos. Ao assumir essa postura, cada um faz muito mais do que simplesmente comandar algo: convida a todos que estão ao seu redor para crescerem juntos. Com isso, as soluções são compartilhadas, baseadas no cooperativismo e ainda somam forças para conquistar excelentes resultados.

A partir do momento em que compreendermos que a solução não virá de uma única liderança, mas, sim, de muitas, podemos passar a liderar a própria vida, empresa, profissão e, então, nos unir em prol de algo muito maior. Tenha em mente que, mais do que ter um time forte e unido, é necessário estabelecer parcerias com outros times fortes e unidos, já que o cenário de crise não é exclusivo de um ou dois porém de todos. Caso ele seja compartilhado, pode se transformar em múltiplos cenários de oportunidades.

Isso só será possível, no entanto, se cada pessoa souber liderar a si mesma, com disposição e sabedoria para aceitar o seu próprio brilho, e entender sua unicidade dentro do todo. Mais do que nunca, é fundamental fortalecer a autoestima, autoconfiança, autoeficácia e autoconhecimento para que o  valor pessoal, as habilidades, potencialidades, capacidades e a consciência sejam reforçados. É preciso muita determinação, perseverança, compaixão, empatia, tolerância e humildade para que possamos nos desenvolver enquanto grupo.

A diferença de um grande líder não está na capacidade de gerir, organizar e guiar um grupo, está na criação de contexto, na capacidade de se colocar no lugar do outro, de ousar e compartilhar novas soluções para os problemas de sempre. Grandes líderes são aptos a gerenciar as próprias competências socioemocionais e também as de todos que estão ao seu redor.

Lidere primeiramente a sua história, vá além dos limites, olhe para onde todos estão olhando e procure enxergar o que ninguém viu. Imagine o futuro e compreenda que, ao contar com o outro e permitir que ele conte com você, o caminho entre o sonho e a realidade fica bem mais próximo!

Tenha paixão pelo seu trabalho

Ao refletir sobre quanto o trabalho ocupa em grande parte da vida, é possível perceber que as pessoas passam, em média, oito horas por dia, durante cinco dias por semana, ou até muito mais tempo dedicando toda a atenção, energia e ideias à determinada função.

Quando essa dedicação se torna obrigação, ela passa a ser um peso. Nesse caso, vale a pena refletir sobre o que se gosta e deseja realizar, afinal é muito tempo investido no trabalho para que ele seja simplesmente descartado quando acaba o expediente. É fundamental a busca por aquilo que motiva e cativa, mesmo que as coisas não aconteçam no ritmo e da maneira que se deseja.

Com certeza, fazer uma reflexão sobre o tema “paixão pelo que faz” é um pouco mais complexo e profundo do que parece, já que o desemprego continua sendo um problema no Brasil. Porém, se for esperar para agir até que todas as condições estejam ideais, você nunca irá atrás dos seus sonhos e daquilo que realmente trará realização.

O trabalho dos sonhos nem sempre é possível de imediato, mas isso não significa que é preciso desistir dele ou deixar de demonstrar talento em outros trabalhos, pois eles fazem crescer e aperfeiçoar habilidades para chegar cada vez mais próximo à profissão desejada. Podem existir momentos em que é preciso tempo para amadurecer e fortalecer o autoconhecimento, além de sabedoria e humildade para trilhar o caminho e subir cada degrau necessário.

Até a profissão dos sonhos possui aspectos repetitivos, estressantes, muitas vezes chatos e pouco divertidos. Por isso, a reflexão sobre o amor pela carreira vai além do trabalho ideal e perfeito. Lembre-se, qualquer emprego pode dar satisfação, aprendizado e promover o crescimento, mesmo que não seja aquele o almejado. O importante é se dedicar, aprender e compreender que as experiências profissionais fazem parte do caminho para chegar ao propósito maior.

É importante entender que a paixão, no seu significado geral, é um sentimento profundo que te impulsiona a definir objetivos desafiadores e a usar a criatividade para atingi-los, determinando as transformações que se deseja, seja no trabalho atual ou na busca da carreira que mais expressa nossas potencialidades e talentos.

Apaixone-se todos os dias pelo que você faz. Olhe para o objetivo e não para os obstáculos. Dessa forma, encurtará o caminho entre o sonho e a realidade e poderá fazer plenamente tudo aquilo que ama.

O presente de ser pai

Além dos tradicionais presentes, o Dia dos Pais é uma data em que a reflexão sobre o relacionamento familiar é muito bem-vinda. Afinal de contas, os pais influenciam diretamente em muitos fatores da vida dos filhos, como a forma de enxergar o mundo e de reagir aos estímulos externos, por exemplo.

Para o homem, muitas vezes, a paternidade acontece durante o ápice da carreira ou consolidação profissional. Por isso, decidir ter uma família e filhos requer maturidade, flexibilidade, espírito de adaptação, além de sensibilidade para buscar equilíbrio entre a participação e presença na vida dos filhos, mesmo que às vezes isso aconteça à distância.

Para o saudável desenvolvimento afetivo das crianças, é fundamental que os pais estejam envolvidos na vida dos filhos, muito mais com disponibilidade emotiva do que de tempo. E, ao contrário do que muitos pensam, a vida profissional não é empecilho para isso. A receita para esse equilíbrio é simples: ter claras as próprias prioridades, pessoais e profissionais e dosar bem as energias e o tempo dedicados a essas prioridades.

Em síntese, o papel paterno representa a relação dos filhos com o mundo externo, ou seja, a abertura para a sociedade, o impulso para se tornarem adultos. Indica também o ingresso da criança ao contexto social, em contraposição ao universo íntimo representado pela relação entre mãe e filho. Ao mostrar, de maneira clara e serena, que existem regras e limites, o pai ajuda os filhos a crescerem emotivamente preparados para enfrentar com segurança o mundo externo.

São vários os pontos na atuação do pai que determinam a criação de uma base firme para a vida futura de seus filhos. Entre eles, podemos destacar a importância de compartilhar o tempo livre para brincadeiras e atividades conjuntas, a abertura ao diálogo, a atenção ao mundo da criança e, finalmente, a maneira como o pai responde às exigências e comportamentos de seus filhos. Se esses pontos forem colocados em prática de forma equilibrada, podem solidificar a base emocional da criança, contribuindo para transformá-la em um adulto emocionalmente bem estruturado e de bem consigo mesmo.

Estudos afirmam que quanto mais os filhos se sentem em conexão com o pai, mais confiam na vida, em si mesmo e nos outros. Quando a relação de confiança e proximidade é estabelecida quando criança, ela dura por toda a vida. E isso só acontece quando se constroem laços baseados no respeito à diversidade e individualidade, e não na busca incansável de uma simples reprodução de comportamentos.

Cada um tem a sua própria jornada e melhor que guiar alguém é caminhar ao lado. Transmita aos seus filhos valores sólidos, que fazem parte do seu dia a dia, e um legado será construído de forma tão forte que nada poderá corrompê-lo.

Permita que hoje e a cada dia da sua vida sejam construídos momentos memoráveis com seus filhos, que pode ser um olhar, um sorriso, um abraço e, talvez, o mais importante: viver com eles aquilo que você sempre sonhou em viver com os seus pais, mas que por algum motivo não foi possível. Viva a intensidade destes momentos e o poder do agora na sua vida. Eternize este presente.

Feliz Dia dos Pais!

Mais diálogo, menos conflito

Muitas vezes encontramos no ambiente pessoal e profissional pessoas que querem impor a sua opinião e ter razão a qualquer custo. Normalmente, elas não aceitam o ponto de vista do outro e sustentam a sua ideia até o fim. Por um lado, é importante ter segurança sobre o que se diz, mas será que o fato de querer ter sempre razão tem algum limite?

Quem impõe o que pensa tende a criar conflitos e não gera cooperação e integração com as pessoas. O indivíduo utiliza o julgamento e a crítica na sua comunicação ao invés da compreensão e diálogo e acaba reagindo agressivamente na defesa da própria opinião. Entrar em uma discussão com atitudes mentais como “eu ganho, você perde”, “eu tenho razão, você está errado” e “eu falo, você fica calado”, claramente não ajuda a desenvolver relações positivas.

A base da discussão saudável é conseguir se comunicar e criar relações gratificantes e  positivas com as pessoas. Para isso, a tolerância, a abertura ao diálogo e a aceitação do outro são fundamentais. É importante entender, ainda, que existe um ponto de equilíbrio para defender opiniões e fazer com que elas sejam respeitadas.

O limite para justificar as próprias ideias é quando a conversação produtiva acaba e inicia-se uma batalha para impor a própria imagem e a ideia defendida, desrespeitando o interlocutor e tornando a interação autoritária e destrutiva. Nesse sentido, podemos evidenciar alguns pontos de reflexão para atingir qualidade no diálogo, ser assertivo e conseguir um verdadeiro debate.

1 – Atenção à comunicação verbal e não verbal.  Cuidado com as palavras utilizadas e também com o tom de voz, volume, as expressões do rosto e os gestos, pois a linguagem corporal tem um papel decisivo no resultado do diálogo;

2 – Não interrompa o interlocutor. Quando ele está no meio de um pensamento ou mensagem, ouça com atenção e demonstre interesse pelo que está sendo dito. Esses pontos ajudam a manter o diálogo vivo;

3 – Ouça as opiniões do outro, crie empatia e abertura ao diálogo. Procure entender quais os objetivos e desejos do interlocutor parar diminuir possíveis divergências e fatores de conflito interpessoal;

4 – Tenha clareza. Seja direto e honesto na exposição dos próprios pontos de vista, permitindo que o interlocutor compreenda as suas opiniões;

5 – Seja gentil na comunicação. Lembrando que ser assertivo não significa ser agressivo. Pelo contrário, a assertividade demonstra, de forma respeitosa, clara e eficaz, que o indivíduo sabe o quer. Atitudes gentis criam um clima positivo e sereno e expressam força e segurança.

É possível criar um diálogo efetivo sem perder o limite da razão. Reconheça que o outro é tão importante quanto você e crie conversas produtivas e agradáveis, sempre valorizando as particularidades de cada ponto de vista. Dessa forma, aumentam-se as chances de manter relações saudáveis e duradouras em todos os contextos da vida!

Promessas do ano: 184 dias para cumpri-las

Em todo fim e início de ano fazemos listas e mais listas com promessas, metas, ações e realizações para o novo ano. Frases otimistas preenchem a mente e o coração e assim começamos o ano: determinados a irmos fundo em busca dos objetivos traçados. Porém, voltamos das férias e sentimos a rotina tomar conta dos nossos dias e percebemos que, novamente, entramos no velho e conhecido piloto automático, deixando tudo aquilo que planejamos bem longe da realidade.

Quando a pessoa identifica que não cumpriu os prazos do seu planejamento ou que está muito distante do que desenhou, é importante não entrar em pânico e aceitar o cenário. Isso porque os sentimentos de medo e ansiedade diminuem a capacidade de encontrar as melhores alternativas para contornar a situação. Ou seja, o primeiro passo deve ser a redefinição das prioridades, já que temos apenas meio ano pela frente.

Há também alguns fatores que podem contribuir para a execução do planejamento pessoal, entre eles estão:

Metas têm que ser possíveis e motivadoras

Tenha atenção para saber se suas metas não são quase impossíveis, pois parte do êxito é ser realista, o que evita um círculo vicioso de propósitos e fracassos, esforços e decepções e tentativas e desistências.

Vale lembrar que a motivação é o combustível para conduzir as ações à realização dos objetivos. Se a motivação, o “por que” de estar criando as metas é algo suficientemente forte, o “como” – a ação – nunca será um problema.

Visão de longo prazo

Muitas vezes nos deixamos levar por certo imediatismo e encontramos dificuldades em estabelecermos uma visão de longo prazo, gerando até uma falta de perseverança caso algo saia errado. Porém, é necessário compreendermos que muitos objetivos não são construídos de uma hora para outra, pelo contrário, exigem dedicação diária para que se concretizem.

Realizar avaliações periódicas

Para saber se algo está ou não indo bem é preciso fazer comparações. Por isso, é importante dividir os objetivos em partes, bem como definir datas para avaliar o desempenho de cada etapa. Dessa forma, ao sinal de que algo está fora do esperado, já é possível entrar em ação.

Ter ação

Por mais perfeito que seja o planejamento, ele não trará resultado algum caso falte atitude. Afinal, as ideias que colocamos no papel só se transformam em realidade quando investimos energia em uma ação concreta.

Atingir metas é de primordial importância na vida do ser humano, pois está intimamente ligado a sua autoestima, confiança e ao sentimento de autoeficácia. Portanto, esse é o momento de parar e refletir sobre tudo o que já aconteceu nesta metade de ano e se planejar para o segundo semestre. São mais 184 dias para conquistar tudo o que sonhou para 2016. Por isso, desenhe e priorize seus objetivos com comprometimento e dedicação. Você merece ser o líder da sua própria vida e alcançar grandes sonhos em toda a sua trajetória!

Promova-se ao cargo de ceo da sua carreira

Qual é o profissional que não pensou em sentar na cadeira do CEO de uma empresa importante? Afinal de contas, além dos benefícios materiais, há fatores que realmente são encantadores, como prestígio no mercado, respeito e credibilidade junto aos demais integrantes da organização. Então, a pergunta que fica é: o que te impede de ocupar este posto imediatamente? Se a reposta for “pois nenhuma organização me fez o convite ainda”, fica a dica: assuma essa posição em relação à sua carreira.

Isso mesmo. Imagine-se como uma grande corporação e busque gerenciar as diferentes áreas que o compõem e formam sua imagem no mercado, passando pelo produto que pode entregar até as estratégias de comunicação adotadas para se relacionar com os públicos de interesse. Procure informações sobre a rotina de um grande executivo e avalie os efeitos gerados por suas decisões. Depois disso, é hora de exercitar sua imaginação e entender como pode se tornar o gestor de você mesmo.

Mais do que executar tarefas ao longo do dia todo, é preciso entender que suas decisões geram consequências capazes de lhe aproximar ou não do lugar em que pretende chegar. Desde a simples postagem de conteúdo nas mídias sociais à apresentação que faz para seus superiores, tudo contribuiu para a definição de como será o seu futuro. Quando entendemos a força dessa realidade, conseguimos tomar consciência dos nossos papéis dentro e fora da empresa e valorizamos o que antes poderia ser visto apenas como “um detalhe”.

Grandes nomes do mercado investem muito tempo na procura pelo resultado impecável, o que em outras palavras pode ser descrito como a busca pela excelência. Você dificilmente vai encontrar um gestor renomado perdendo tempo com conversas informais ou procurando alternativas para que o fim do dia chegue mais rápido. Geralmente, ele é o primeiro a chegar na companhia e o último a deixá-la; especialmente nos dias em que vivemos, já que a tecnologia nos permite ficar conectados ao trabalho independentemente do lugar em que estivermos fisicamente.

Não se esconda atrás da responsabilidade que deposita nos outros. Assuma que o seu destino é traçado por você, a cada segundo, e que sorte é apenas a união entre a oportunidade e a capacidade que tem para aproveitá-la. Deixe a espera de lado e se promova ao cargo de CEO da sua vida.

Quatro conselhos para quem deseja mudar de profissão

Seja por decepção diante de uma demissão inesperada ou por um desejo nascido depois de anos atuando na mesma área, a mudança de profissão está nos planos de muitos brasileiros.

Esse sonho pode e deve ser colocado em prática, mas existem alguns conselhos que podem contribuir para torná-lo mais fácil e seguro.

1 – Prepare sua transição       

Não acorde em um belo dia e resolva pedir demissão, isso é uma falha grave. Se tem o desejo de partir para uma nova empreitada, prepare a sua transição para que ela seja leve, prazerosa e harmônica. Dessa forma, você não deixará ninguém “na mão” e poderá manter uma boa relação com os antigos colegas de trabalho e clientes.

2- Comece a preparar o seu salto

O salto significa sair de onde está hoje e seguir para o sonho profissional. Tenha em mente que o trabalho atual pode abrir caminhos para a próxima experiência, por isso, encare-o como a melhor alavanca para o seu projeto, para a sua mudança. Fortaleça os seus relacionamentos, busque mais conhecimento e técnicas que possam ser aplicadas no novo trabalho.

3- Assuma uma atitude profissional

Quando um cliente te contratar para a nova profissão, ele vai exigir de você o mesmo que exige de um profissional antigo, com 30 anos de experiência. Então, o momento de se preparar é agora! Estude, especialize-se na área de interesse e adquira o domínio necessário para desempenhar um bom papel e se destacar no novo emprego.

4 – Coloque o cliente em primeiro lugar

Leve sempre com você a frase “O meu sucesso está ligado ao sucesso do meu cliente”. Independente da área de atuação, qualquer pessoa lida diariamente com clientes, sejam eles internos ou externos. Contudo, nem sempre nos doamos o quanto deveríamos.

É necessário ser a solução na vida de um cliente e estar sempre pronto para ajudar e oferecer mais do que ele espera. Ao conduzi-lo para o sucesso, automaticamente estará promovendo o seu.

Fortaleça a sua inteligência emocional. Busque formações que o ajude a expandir a seu poder pessoal e, com a mente tranquila, tenha certeza de que será feliz em qualquer oportunidade profissional!

Como manter o foco no trabalho em cenários de turbulência

O atual cenário político e econômico do país tem gerado transformações que afetam diretamente a vida das pessoas. As demissões, por exemplo, fazem com que as empresas trabalhem com equipes mais enxutas e exijam mais produtividade dos colaboradores. Naturalmente, o ambiente fica mais tenso em meio às cobranças e os picos de estresse passam a surgir com mais frequência.

O trabalho ocupa uma posição muito importante na vida das pessoas, por isso as dificuldades nesse contexto afetam os alicerces de cada um de nós. Nesse sentido, falar de crise no trabalho equivale dizer sobre crise de identidade.

As turbulências que surgem no caminho bloqueiam nossos recursos internos necessários para enfrentar situações de emergência. Por isso, é preciso refletir sobre algumas ações que podem ajudar a ajustar a rota e manter o equilíbrio na área profissional. São elas:

– Manter a atenção direcionada nas metas e nos objetivos e não perder o foco do alvo. Saber o que queremos, onde estamos indo, como e quando queremos chegar, é uma estratégia para abaixar a ansiedade e a insegurança. Objetivos definidos e claros têm poder e força, por isso, esse exercício permite uma melhor gestão do estresse.

– Exercitar um treino mental eficaz, focado em imagens mentais significativas e positivas e que reproduzam experiências motivadoras ou antecipem voluntariamente o resultado desejado. Quando aprendemos a criar imagens positivas, criamos uma verdadeira referência e automaticamente orientamos a mente na direção escolhida.

– Desenvolver o autocontrole dos pensamentos e do diálogo interno. O que você pensa e como você se comunica com você mesmo? Uma gestão eficaz dos pensamentos e do diálogo interno como o uso de palavras-chaves ou frases que ativam sensações potencializadoras ajuda a enfrentar os desafios de forma mais engajada.

– Estabelecer relacionamentos interpessoais mais solidários com os colegas de trabalho, criando uma “rede social” mais cooperativa. Essa ação já foi identificada como um meio de ajudar as pessoas a enfrentar a ânsia da instabilidade.

Podemos manter o foco e a atenção naquilo que é importante para a nossa vida e realização, basta ter consciência de que isso exige um ato voluntário e um esforço da nossa parte. Não vamos deixar que o medo e as preocupações assumam o controle da nossa mente, desencadeando um ciclo vicioso de pessimismo e angústia.

Esses pontos de reflexão são recursos valiosos para direcionarmos de forma diferente a nossa energia, as nossas qualidades e competências. Insira-os no seu dia a dia profissional e veja que nenhuma adversidade é capaz de apagar o seu brilho, impedir o seu sucesso e barrar a realização dos seus maiores sonhos!

As 5 competências do novo líder

O ato de liderar se renova constantemente. Hoje, o líder não é mais o detentor de poder, que designa funções e cobra resultados, mas sim uma pessoa inspiradora que engaja, ajuda a equipe e forma sucessores.  O perfil do novo líder está em ir além dos limites, olhar para onde todos estão olhando e enxergar o que ninguém viu e acompanhar as novas gerações, a mudança das pessoas, das organizações e do mercado.

É preciso ainda saber liderar a si mesmo para poder liderar corretamente outras pessoas, por isso, é necessário cuidar e fortalecer as competências pessoais e a inteligência emocional para manter o foco e para que as interferências não o desviem do objetivo.

Outro quesito muito importante na liderança é o carisma. Ele é uma qualidade fortemente ligada à imagem do líder e com ele podemos e saberemos encantar colaboradores e clientes. O carisma é, em síntese, a força e o poder da presença da pessoa, que contribui para torná-la inesquecível e encantadora.

Além da autoliderança e do carisma, podemos evidenciar mais cinco competências de liderança que são buscadas pelas empresas atualmente. São elas:

1)            Atenção ao capital humano: para o líder reconhecer as experiências e competências das pessoas da sua equipe é fundamental para a construção e a manutenção de equipes sólidas e bem sucedidas e para a concretização de resultados.

2)            Inspirar a equipe: a valorização de um ideal, um sonho, a capacidade de estimular nas pessoas entusiasmo, criatividade, dedicação, o sentimento de pertencer a algo, são considerados a principal fonte de impulso para o sucesso da equipe.

3)            Motivação catalisadora: o foco do líder é manter vivas nos colaboradores as extraordinárias forças criativas, inovadoras e sinérgicas capazes de fazer planos saírem do papel e alcançar os resultados escolhidos.

4)            Estar aberto a aprender: o líder precisa estar atento e aberto ao novo, às mudanças dos contextos, à análise dos cenários e sempre disposto a aprender. Isso permite se reinventar quando necessário e inovar, criando as estratégias adequadas para alcançar os resultados.

5)            Maestria na comunicação: a comunicação é uma habilidade fundamental para um líder, para uma maior compreensão, entendimento e alinhamento com os colaboradores.

Por meio de uma comunicação verbal e não verbal eficaz, o líder fortalece nas relações interpessoais e nas equipes um contexto de cooperação e integração.

Ao desenvolver e fortalecer essas competências o líder está alinhado ao perfil de liderança atual, que exige autoconhecimento e compartilhamento de ideias. Por isso, desenvolva o seu poder pessoal, desperte o grande líder que há em você e seja inspirador para todos ao seu redor!

Gazeta da Cidade © 2014 | Todos os direitos reservados