Dia Mundial da Internet Segura: Brasil tem 120 milhões de internautas

O Dia Mundial da Internet Segura (Internet Safer Day) foi comemorado na terça-feira, dia 6 de fevereiro, em mais de 100 países, incluindo o Brasil. A data, criada há aproximadamente 14 anos, pela Insafe, rede de organizações que trabalham para o uso consciente da internet nos países da Europa, busca alertar para os riscos que existem na vida digital, tanto de usuários domésticos quanto nas empresas, pois, como já é sabido – apesar de não ser levado a sério -, este ambiente online apresenta diversas vulnerabilidades.

Com cerca de três bilhões de pessoas conectadas no mundo todo, segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT) – agência especializada em tecnologia de informação e comunicação da Organização das Nações Unidas (ONU) –, muitas são vítimas de golpes pela internet, seja com fotos íntimas vazadas, perdendo dinheiro, crimes de pedofilia, racismo, se transformando em presas de criminosos, entre outras ações; a lista é grande.

Para vocês terem uma ideia, a quantia de pessoas online no mundo não se equipara nem à China, o país mais populoso com cerca de 1.379 bilhão de moradores. Então os internautas somam duas vezes o número de habitantes deste país. Por outro lado, uma quantidade bem maior de pessoas não tem acesso à internet – porém esse número pode ser alterado rapidamente com o atual acesso à tecnologia, que vem crescendo dia após dia.

No Brasil, 120 milhões de pessoas têm cesso à internet, conforme apontou o relatório sobre economia digital publicado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). Estamos na quarta posição entre os países com maior número de internautas, atrás apenas dos Estados Unidos (242 milhões), Índia (333 milhões) e China (705 milhões).

As pessoas estão cada vez mais conectadas, seja no computador, no tablet, por meio do smartphone ou até mesmo através de outros dispositivos, como a TV, o videogame e até eletrodomésticos; usando tecnologias a cabo, 3G, 4G, via rádio ou wi-fi. A conectividade está presente na vida das pessoas, tanto na pessoal quanto na profissional.

O problema é que o fato de existir toda essa gente conectada não tem apenas o lado bom, o lado que ajuda as pessoas, que colabora com a gente e oferece serviços brilhantes e gratuitos que tornam a vida mais prática. O lado nada bom da internet tem a ver com a segurança de seus usuários, não só quando se inicia alguma transação bancária e na compra de algo, mas também há perigo presente numa mera conversa de bate-papo.

Então, uma dose extra de segurança e desconfiança cai bem no mundo visto através de uma tela. No Brasil, nós temos a SaferNet, uma organização não governamental (ONG) criada para combater crimes e violações dos direitos humanos na rede. No site da entidade é possível encontrar diversos textos sobre segurança na internet, bem como orientações de como se portar ao acessá-la.

Por uma internet mais positiva, a ONG também promoveu no Brasil o Dia da Internet Segura 2018, que visou articular diferentes instituições públicas, privadas e do terceiro setor em torno da conscientização do uso seguro, ético e responsável da internet. Para saber mais, acesse: www.diadainternetsegura.org.br. A ação conta com o apoio institucional do Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal, Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *