Mulheres e diabetes: nosso direito a um futuro saudável

Na próxima terça-feira, 14 de novembro, será comemorado o Dia Mundial do Diabetes. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF), mais de 400 milhões de pessoas têm a doença em todo o mundo. Nos últimos 10 anos, o número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8%, passando de 5,5%, em 2006, para 8,9%, em 2016, conforme mostra a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde. O estudo também apontou que as mulheres registram mais diagnósticos da doença. Tanto que, neste ano, o tema escolhido para a campanha foi “Mulheres e diabetes: nosso direito a um futuro saudável”.

Com os crescentes números de diagnósticos da doença no mundo, o Dia Mundial do Diabetes foi criado há 26 anos pela Federação Internacional de Diabetes em conjunto com a Organização Mundial da Saúde. Desde 2007, com a aprovação da Resolução das Nações Unidas 61/225, a data faz parte do calendário oficial da Organização das Nações Unidas (ONU). O dia 14 de novembro foi eleito para a celebração por se tratar do aniversário de Frederick Banting que, juntamente com Charles Best, concebeu a ideia que levou à descoberta da insulina, em 1921.

Os principais objetivos da campanha mundial são os seguintes: incentivar os governos para a implementação e fortalecimento das políticas para a prevenção e controle do diabetes; disseminar ferramentas para apoiar as iniciativas nacionais e locais sobre a doença; aumentar a conscientização dos sinais de alerta do diabetes, incentivando o diagnóstico precoce; promover ações para reduzir os principais fatores de risco da doença; realizar atividades para prevenir ou retardar as complicações do diabetes.

No Brasil, a campanha é organizada pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). A entidade e seus parceiros desenvolvem várias ações pelo país para marcar a data. Para conhecer mais detalhes, acesse o site oficial da ação: www.diamundialdodiabetes.org.br.

Segundo a SBD, diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz. Insulina é um hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue, e o corpo precisa disso para utilizar a glicose, obtida por meio de alimentos e que gera fonte de energia.

O controle da alimentação e a prática de atividades físicas são hábitos simples capazes de prevenir e controlar o diabetes tipo 2 – o único tipo da doença que pode ser evitado. Ainda não se sabe ao certo por que as pessoas desenvolvem o diabetes tipo 1. Alguns pacientes nascem com genes que os predispõem à doença, já outros possuem os mesmos genes e não têm diabetes. Este tipo da doença é mais frequente em pessoas com menos de 35 anos, mas ela pode surgir em qualquer idade.

O diabetes pode incluir sintomas como: sede excessiva, perda de peso repentina, fome exagerada, muito cansaço, vontade de urinar frequentemente, má cicatrização, visão embaçada, falta de concentração, além de vômitos e dores estomacais.

Vale ressaltar que no tipo 1 da doença estes sintomas surgem de forma abrupta. Já no diabetes tipo 2, os sintomas podem ser mais moderados ou até inexistentes.

Existe, ainda, o diabetes gestacional, que pode ocorrer com qualquer grávida. Por isso, é importante que todas as gestantes pesquisem, a partir da 24ª semana de gravidez, como está a glicose em jejum e a glicemia após estímulo da ingestão de glicose.

Ainda segundo informações da SBD, as maiores causas de mortalidade no diabético são problemas cardiovasculares, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral.

O diabetes exige alguns cuidados do paciente que devem ser levados para toda a vida, como medir a glicemia, tomar medicamentos, exercitar-se regularmente e ajustar os hábitos alimentares.

post-dmd-2

 

 

Arte: Sociedade Brasileira de Diabetes – SBD (www.diamundialdodiabetes.org.br)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *