Mãe: três letras apenas, mas nelas cabe o infinito

Mãe: três letras apenas, mas nelas cabe o infinito

08 de maio de 2020
1

O Dia das Mães é comemorado no Brasil no segundo domingo do mês de maio, conforme determina o decreto assinado em 1932, pelo então presidente Getúlio Vargas. Neste ano, a data cai em 10 de maio. O dia é celebrado em diferentes datas em vários lugares do mundo. Mas o objetivo é único: refletir sobre a tamanha importância das mães, festejar esse amor e comemorar a vida dessas grandes mulheres, que se doam para receber e estruturar a vida dos filhos.

A mãe educa o filho para a sociedade. É a família que forma cidadãos. Por mais que todos tenhamos o livre-arbítrio, a educação dos pais é essencial, é a base que a criança terá, são os exemplos que ela verá.

Há várias explicações para a origem da celebração. A mais antiga das comemorações é mitológica e remeta à Grécia Antiga, local onde a entrada da primavera era festejada em honra de Réia, mãe dos deuses.

No Brasil, o Dia das Mães foi promovido pela Associação Cristã de Moços de Porto Alegre (MG), no dia 12 de maio de 1918. Em 1947, a data passou a fazer parte do calendário oficial da Igreja Católica.

Já no século XVI, a Inglaterra começou a comemorar o chamado “Mothering Day”, no quarto domingo da Quaresma, como forma de homenagem para as mães de operários ingleses que, por causa da crise que assolava o país, passavam muito tempo trabalhando e longe da família.

Nos Estados Unidos, a celebração começou no princípio do século XX, quando a jovem Anna Jarvis perdeu sua mãe, Anna Reese Jarvis, e entrou em depressão. Para ajudá-la a se curar da doença, algumas amigas resolveram perpetuar a memória da mãe de Annie através de uma festa, cujo outro objetivo era fortalecer os laços familiares e o respeito pelos pais. A comemoração acabou se espalhando pelo país e, em 1914, a celebração foi oficializada.

Mãe (Mario Quintana)

Mãe…

São três letras apenas,

As desse nome bendito:

Três letrinhas, nada mais…

E nelas cabe o infinito

(…)

Para louvar a nossa mãe,

Todo bem que se disser

Nunca há de ser tão grande

Como o bem que ela nos quer.

Últimos Editoriais