Notícias

Comunidade fala sobre a importância da regulamentação da profissão de mototaxista

Projeto de Lei foi criado pelo Executivo, apoiado e incentivado pelo presidente da Câmara, Leandro Marinho

11 de janeiro de 2020

Fotos: Ascom/Câmara de Extrema

2b093898-dfa7-428f-9e42-72c0021df54b
f56117df-bba6-4d7c-9d66-9dbbd9f2ce2a
251b9fd3-15a0-4248-a125-4bc93ea6e4f1
ad1e911c-33b5-4475-a2bb-2790b6bfd9e2
b4ae4cf0-d15e-4d46-935f-aa2cb2930986
ea2de556-adb4-4f78-98cd-1101b3d76fc8
Comunidade fala sobre a importância da regulamentação da profissão de mototaxista

É de autoria do presidente da Câmara Municipal, vereador Leandro Marinho, a criação da Lei Nº 4.043 que regulamenta o serviço de transporte individual por meio de motocicletas no município de Extrema. A normatização da profissão de mototaxista contou com o total apoio do Executivo, na figura do prefeito João Batista da Silva, e já vem trazendo resultados positivos tanto para os usuários quanto para os profissionais da área.

Além da organização do serviço e da identificação dos profissionais, o cidadão extremense ganha mais segurança e comodidade.

Em entrevista, o mototaxista João Teixeira de Lima disse que a regularização do trabalho vem de encontro a uma necessidade antiga da própria comunidade. “A população já esperava por esse serviço que, além de apresentar melhor trafegabilidade, traz ainda agilidade nas viagens e um valor que cabe no bolso do usuário do sistema”.

José Costa de Oliveira e Leone Rosa Soares Lima estão no ramo do transporte individual há alguns anos. Para eles foi fundamental a intenção do presidente da Câmara, Leandro Marinho, em apresentar este projeto de lei que vai de encontro a uma reivindicação da classe. “Leandro está de parabéns por nos ajudar. Esta iniciativa do Legislativo é primordial para que tenhamos mais segurança no cumprimento das regras estabelecidas pelas normas de trânsito e na comodidade gerada pelo próprio serviço”, contaram.

O uso de motocicletas para serviços de entrega e transporte de passageiros possuem diferenças legais e técnicas. Enquanto a motoentrega ou motoboy configura uma atividade econômica comum, o mototáxi é classificado como serviço público e, por isto, conta com algumas regras. Do ponto de vista do consumidor, Lineide Rodrigues da Silva, que mora na área urbana de Extrema, e Ana Isabel Gomes, que reside no bairro rural dos Pires, enfatizaram a questão do respeito e da prontidão na oferta do trabalho. “São motoristas atenciosos e muito respeitosos, principalmente pelo fato de sermos mulheres. Queremos agradecer ainda ao empenho do Leandro Marinho, presidente da Câmara, que se preocupou em criar esta lei. São dessas representações que precisamos”, destacaram.

A indicação, que partiu do gabinete do presidente da Câmara, Leandro Marinho, já acontece em inúmeros municípios brasileiros. A viabilidade na regulamentação do serviço de mototáxi respeitará todo o processo e seguirá os trâmites legais para beneficiar os profissionais e a comunidade de forma geral. “É uma obrigação do poder público investir em políticas públicas condizentes às necessidades dos usuários do sistema. Porque o nosso foco é o bem do cidadão”, pontuou Leandro Marinho.

Compartilhe:

Veja também

EDIÇÃO IMPRESSA

Edição nº: 2525

13/08/2020

Ver todas

receba a

Edição digital

direto no seu

whatsapp