Notícias

Doença cardíaca é a principal causa de mortes em Extrema

Prefeitura de Extrema oferece programas e cuidados preventivos

09 de janeiro de 2020

Foto: Ilustrativa

body-116585_1920

As doenças cardíacas ainda são a principal causa de morte em Extrema. Em 2019, foram registrados 29 óbitos na cidade devido a problemas de coração. Atualmente, existem 2.188 pacientes portadores de diabetes registrados no município. Somando os que possuem hipertensão arterial o número sobe para 6.007 indivíduos considerados do grupo de risco.

As doenças cardiovasculares são um conjunto de problemas que atingem o coração e os vasos sanguíneos, afetando, geralmente, mais homens do que mulheres, em idades acima dos 50 anos. E estão associadas a um conjunto de fatores, que se designam habitualmente por fatores de risco. Alguns não podem ser modificados como a hereditariedade, o sexo e a idade. Contudo, outros podem e devem ser modificados com estilos de vida e medicamentos.

Os principais fatores de risco que podem ser controlados são: sedentarismo, tabagismo, stress, obesidade, hipertensão, diabetes e colesterol elevado (dislipidémia).

Programa Hiperdia de Extrema

O Programa Hiperdia da Secretaria de Saúde de Extrema tem por objetivo acompanhar todos os pacientes hipertensos e diabéticos a fim de que, através do cuidado especial, possa se fazer um controle das doenças e garantir uma melhor qualidade de vida aos pacientes. Quando o paciente é atendido nas unidades de saúde do município e o problema é identificado, ele é encaminhado para o Hiperdia, onde passa a ser acompanhado pela equipe multidisciplinar de acordo com a sua necessidade.

Junto com o Hiperdia, as equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF) oferecem os grupos fixos de atividades físicas para quem deseja prevenir o surgimento deste tipo de doença.

Estatísticas

O Ministério da Saúde estima que 31,5% dos óbitos no Brasil são provocados por doenças cardiovasculares (DCVs), tornando-se esta a primeira causa de morte entre a população brasileira. A doença cardiovascular mata, por ano, 7,6 milhões de pessoas no mundo todo, devido as suas complicações como AVC, infarto, entre outras.

Compartilhe:

Veja também

EDIÇÃO IMPRESSA

Edição nº: 2525

13/08/2020

Ver todas

receba a

Edição digital

direto no seu

whatsapp