Notícias

Extrema tem casos suspeitos de coronavírus

18 de março de 2020

Fotos: Divulgação e ilustrativa

virus-4898571_1920-550×300

A Prefeitura de Extrema decretou nesta semana situação de emergência em saúde devido ao novo coronavírus. Na terça-feira, dia 17, Extrema passou a ter o primeiro caso suspeito da doença. Até o fechamento desta edição do jornal, na sexta-feira, dia 20, o total de casos suspeito havia subido para quatro. Como tratam-se de suspeitas, foram realizadas coletas para a análise e, dentro de alguns dias, o resultado oficial será divulgado.

No momento, a maior recomendação da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES) é a restrição do convívio social, para que todo contato possível entre pessoas seja evitado, como forma de prevenção e contenção da doença. Assim, os eventos em Extrema foram cancelados, as aulas estão suspensas e as empresas estão adotando o home office (trabalho remoto).

Existem medidas que os moradores podem adotar para prevenção, como explica a gerente municipal de Saúde, Patricia Carneiro. “É essencial manter a higienização das mãos, lavando com água e sabão sempre que possível. O álcool em gel pode ser usado para casos onde não haja maneira de lavar as mãos corretamente. Quando for tossir, não usar as mãos para cobrir, mas sim os braços ou um lenço de papel, que deve ser descartado corretamente. Higienize objetos pessoais (celular, teclado, mouse e tudo o que tiver contato com diferentes superfícies). O mais importante é evitar o contato social, só sair se for estritamente necessário, pois devemos evitar a transmissão do vírus. Ao apresentar sintomas de gripe ou resfriado, o cidadão deverá ficar em casa e evitar o contato com outras pessoas”.

Em caso de sintomas do coronavírus – os principais sinais são febre, tosse e dificuldade para respirar – a pessoa deve procurar a unidade de saúde mais próxima, o pronto socorro ou o hospital particular da cidade.

A transmissão do vírus ocorre por vias respiratórias, por meio das gotículas de saliva que são eliminadas quando a pessoa contaminada tosse, espirra ou fala entre um e dois metros de distância; por contato físico, através das mucosas do olho, nariz e boca; e pelo contato com superfícies contaminadas.

“É uma situação crítica, é um momento em que a saúde pública está pensando, sim, no cidadão, mas que cada um deve fazer a sua parte, encarar este momento com seriedade e ter consciência que todos os atos têm consequências. Não podemos enxergar isso como um período de férias ou passeios, pois assim nós teremos a transmissão do vírus em Extrema. Então fiquem em casa e sigam as orientações recomendadas, para termos um resultado positivo”, ressaltou Patricia Carneiro.

Gerente municipal de Saúde, Patricia Carneiro

Compartilhe:

Veja também

EDIÇÃO IMPRESSA

Edição nº: 2525

13/08/2020

Ver todas

receba a

Edição digital

direto no seu

whatsapp