Notícias

Governador recebe prefeitos do Sul de Minas e discute ações conjuntas

Prefeito João Batista também participou da reunião com o governador Romeu Zema Foto: deputado federal Bilac Pinto, o prefeito João Batista e governador Romeu Zema

06 de março de 2021

Fotos: Divulgação

Deputado-federal-Bilac-Pinto-o-prefeito-João-Batista-e-governador-Romeu-Zema-550×300

Na segunda-feira, dia 1º de março, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, recebeu no Palácio Tiradentes, em Belo Horizonte, o deputado federal Bilac Pinto, o prefeito de Extrema, João Batista, o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões, de Itajubá, Christian Gonçalves Tiburzio e Silva, e o de Santa Rita do Sapucaí, Wander Wilson Chaves. Entre eles um assunto em comum: Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa).

Em Extrema, desde 2017 a Administração Municipal trava uma disputa para encerrar o contrato de serviço da Copasa, assinado em 2005. Em 2018, em função da incapacidade da Copasa em atender de forma satisfatória o abastecimento de água e o efetivo tratamento do esgoto doméstico de Extrema, a Prefeitura Municipal e o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) ajuizaram Ação Civil Pública em face da Copasa – ACP nº. 36239-96.3017.8.13.0251, objetivando obrigar a empresa a promover adequações e ampliações destes serviços.

A prefeitura permanece realizando sucessivas notificações à Copasa em função das frequentes interrupções no abastecimento de água no município. O total de multas ultrapassa R$ 31 milhões.

Copasa: problema regional

A reunião serviu para reforçar ao governador Romeu Zema que a situação vivida em Extrema é a mesma vivida em Pouso Alegre, Itajubá e Santa Rita do Sapucaí. “Pouso Alegre hoje é refém da Copasa para o seu desenvolvimento. Todos os dias temos desabastecimento de água em algum bairro, isto causa um enorme prejuízo e desconforto para as famílias”, confirmou o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões.

Em Itajubá, as queixas se repetem, como explicou o prefeito Christian Gonçalves Tubirzio e Silva. “Assim que asfaltamos uma rua, a Copasa abre para obras e, além de demorar muito para fazer a recomposição, faz de uma maneira péssima e a rua fica horrível”.

O deputado federal Bilac Pinto, que organizou o encontro, considera que “ao mostrar que os problemas são comuns aos municípios, fica evidente a urgência de uma medida para dar um atendimento digno aos moradores. A atenção do governador Romeu Zema aos prefeitos é justa e merecida, pois todas as cidades estão enfrentando um sério problema com a Copasa”.

O governador Romeu Zema confirmou que as reclamações a respeito da Copasa são uma unanimidade entre os municípios atendidos por ela. “Temos feito vários esforços para modernizar a gestão da Copasa e analisamos a possibilidade da privatização. Mas dependemos da autorização da Assembleia Legislativa para fazer estas mudanças. O novo presidente da Copasa, Carlos Eduardo Tavares de Castro, vem se esforçando, visitando os municípios para pensar em alternativas e melhorar o atendimento para a população”.

Para o prefeito de Extrema, João Batista, o rompimento com a Copasa é um caminho sem volta. “Haverá, sim, um embate jurídico muito grande, mas seguiremos lutando para ter um serviço eficiente de abastecimento de água e tratamento de esgoto para nossa população”.

Governador de Minas Gerais, Romeu Zema, lê o relatório da Prefeitura de Extrema sobre a Copasa

Compartilhe:

Veja também

EDIÇÃO IMPRESSA

Edição nº: 2525

13/08/2020

Ver todas

receba a

Edição digital

direto no seu

whatsapp