Notícias

Plataforma do Acervo Digital Regional de Extrema completa um ano e já tem mais de 35 mil visualizações

17 de julho de 2021

Imagem: Divulgação

Itens do projeto podem ser acessados em múltiplos dispositivos

Neste sábado, dia 17 de julho de 2021, a Secretaria de Cultura de Extrema comemora um ano do lançamento da plataforma do Projeto Acervo Digital Regional de Extrema (Adre), que já recebeu mais de 35 mil visualizações.

O projeto que nasceu em 2017 é uma iniciativa que promove a digitalização e a difusão, na rede mundial de computadores, de documentos históricos importantes para o estudo da história e da cultura de Extrema e região. O Adre também realiza a publicação, na plataforma digital do projeto, de documentos pertencentes a arquivos nacionais e internacionais que lançam luz sobre aspectos da história regional. Além disso, a página hospeda vídeos, livros, textos e outros conteúdos sobre a cultura, o território e o patrimônio cultural local.

Atualmente, a plataforma do Adre conta com quase 2000 fotografias; 101 aquarelas e partituras; 34 mapas e plantas; 23 vídeos (Projeto Memória Viva de Extrema e Projeto Memórias de uma Cidade) e 81 livros, revistas e jornais – que juntos possuem mais de 5 mil páginas/itens. Tais registros e documentos pertencem a 33 famílias da região e a 12 instituições/entidades do Brasil, de Portugal e da Itália. A página possui ainda arquivos e fotografias do Setor do Patrimônio Cultural, aquarelas do artista italiano Alfredo Mucci, curiosidades e um espaço destinado a exposições virtuais – que foi inaugurado em fevereiro de 2021, quando ocorreu o lançamento da exposição “O Morro do Lopo e a Demarcação de Thomaz Roby (1749)”.

“Estamos orgulhosos em comemorar um ano do nosso acervo. A cultura de um povo é seu maior patrimônio. Resgatar, preservar e perpetuar a história é nosso dever”, ressaltou o secretário de Cultura de Extrema, Pablo Farina.

Para Eudinedes Jesus de Lima, morador local que sempre valorizou a história de Extrema e que possui um arquivo particular de relevo, Extrema vive um período importante em termos de valorização de sua história. “O Acervo Digital Regional de Extrema possibilita não somente a consulta de documentos históricos e de materiais importantes para o estudo da história da região, mas também valoriza a memória e a experiência dos moradores locais”, disse.

De acordo com a coordenadora do projeto, Rafaela Ferreira da Silva, o lançamento do Adre, em 2020, materializou uma iniciativa ambicionada pela atual Administração Municipal desde 2017, quando a Divisão de História iniciou as primeiras pesquisas documentais sobre a história de Extrema. “Reunir documentos e materiais para o estudo da história da região, incentivar pesquisas e valorizar a memória dos moradores locais são objetivos que perseguimos com esse projeto – que traduz também um anseio da população, uma vez que na Conferência de Cultura realizada em 2016 e no Plano Municipal de Cultura (2018-2027), a Sociedade Civil e o Poder Público definiram ações estratégicas que visam promover a pesquisa e a valorização da história e da cultura de Extrema”.

Ainda neste segundo semestre de 2021, será lançada uma exposição virtual que trata dos 150 anos da criação da Freguesia de Santa Rita de Extrema, e também serão publicados conteúdos relacionados com os 120 anos da emancipação política do município. A Secretaria de Cultura também trabalha na digitalização de livros históricos pertencentes ao Arquivo da Prefeitura Municipal de Extrema (que serão publicados em breve na plataforma do Adre), entre outros conteúdos.

Todos os itens do Acervo Digital Regional de Extrema permanecem acessíveis, em múltiplos dispositivos, no endereço: www.extrema.mg.gov.br/siscultura/acervo.

Compartilhe:

Veja também

EDIÇÃO IMPRESSA

Edição nº: 2525

13/08/2020

Ver todas

receba a

Edição digital

direto no seu

whatsapp